“Aqui não existe natal” – Carta de Moa Henry, anarquista vivendo em clandestinidade

Compartilhamos a carta escrita no natal de 2014 pela militante anarquista Moa Henry, uma das 23 acusadas de suspeita de vandalismo durante a Copa do Mundo. Moa está foragida desde que, após receber liberdade provisória, recebeu um mandato de prisão por estar presente em uma atividade cultural em uma praça pública.

LIBERDADE JÁ!

AQUI NÃO EXISTE NATAL

Enquanto o mundo festeja o “capitalismo fraternal natalino” com seus pinheiros (à moda americana) cheios de presentes, ao lado de mesas fartas, nós vivemos num mundo onde o que vemos e experimentamos é uma realidade não tão farta, e nem um pouco pacífica e fraternal.

Há dois dias, enquanto centenas de famílias burguesas brindavam o “amor” e a “fraternidade” cristãs, um jovem chamado Rafael Braga era torturado numa solitária num dos centros carcerários da “Cidade Maravilhosa”. Enquanto a elite fascista trocava seus presentes, Caio e Fábio – dois ativistas que foram as ruas em 2013 lutar por uma realidade melhor, por saúde, educação, moradia, transporte de qualidade e um custo de vida mais baixo, não só para eles mas para toda população, nada comemoravam e nada brindavam, simplesmente porque estavam numa cela em outra prisão da “cidade maravilhosa”.

Continuando a lista posso citar o ativista Igor Mendes, preso no último dia 03 de dezembro quando estava saindo de casa. Igor Mendes também foi às ruas denunciar o fascismo do Estado gerenciado pela máfia partidária (PT, PSDB, PMDB) oportunistas, seus aparatos de repressão, a violência policial usada contra os movimentos populares e nas áreas mais carentes da cidade, etc. Ele também passou a noite do dia 25 num complexo penitenciário.

Acusadas, assim como Igor Mendes de termos cometido um ato de desobediência civil, a ativista Elisa Quadros e eu tivemos novos mandados de prisão expedidos. Diferente de Igor Mendes nós tivemos a oportunidade de fugir. Nós duas continuamos vivendo na clandestinidade desde o dia 03 de dezembro.

Estou contando tudo isso não por ter a intenção de colocar a mim e todos os outros como vítimas, ou como se lamentássemos por não poder trocar presentes, ou comemorar em casa com a família o “amor”, “fraternidade”, “paz” e a “fartura”. Quero deixar claro aqui que nós não comemoramos, por exemplo a “paz” e a “fartura” porque simplesmente não houve “paz” e “fartura” para ser comemorada. Para nós – assim como para centenas de milhares de presos, moradores de rua, para todos que foram violentamente removidos, caçados e assassinados no campo, nas comunidade indígenas e nas favelas, para aqueles que são explorados diariamente dentro e fora da cidade, para todos nós não houve natal assim como não houve Copa, assim como não haverá Olimpíada.

As nossas mesas não foram fartas e em muitos casos não havia nem mesmo uma mesa (como nos presídios e nas calçadas, onde muitos sobrevivem).

Em alguns lugares um pouco mais distantes, como em inóspitas comunidades africanas e etíopes mesmo a água e o pão foram artigos de luxo nesta noite de fartura.

Em diversos lugares do mundo, nos subúrbios e favelas, famílias inteiras se reuniram sem ter o que colocar sobre a mesa, e sem ter o que comemorar.

E assim passamos aquilo que a burguesia, os capitalistas e os cristãos chamam de natal. Alguns presos, outros com fome, outros tantos vivendo na clandestinidade. Ainda houveram muitos que, nessa noite, estiveram relembrando a morte ou desaparecimento de suas Cláudias, Amarildos, dos seus companheiros de militância. Por tudo isso eu afirmo com convicção que nessa realidade de luta e resistência não existe natal!

EM SOLIDARIEDADE AOS 43 ESTUDANTES MEXICANOS!

PELA LIBERDADE DE FÁBIO, CAIO, IGOR MENDES E RAFAEL!

PELA LIBERDADE DE TODOS OS PRESOS POLÍTICOS!

PELA EXTINÇÃO DE TODOS OS PROCESSOS!

PELO FIM DO GENOCÍDIO NO CAMPO, NA FAVELA E NAS COMUNIDADES INDÍGENAS!

MORTE AO FASCISMO E AO CAPITAL!

NÃO PASSARÃO!!!

Moa Henry – 26/12/14

One thought on ““Aqui não existe natal” – Carta de Moa Henry, anarquista vivendo em clandestinidade

  1. Pingback: Brésil : « Ici noël n’existe pas. » Lettre écrite à Noël par la militante anarchiste Moa Henry, une des 23 accusé.es de vandalisme pendant la Coupe du Monde au Brésil | les AZA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *