Monthly Archives: novembro 2014

[Mexico] Carta das compas Amelie Pelletier e Fallon Poisson + Atualização Prisões Mexicanas pt. 1

Carta de Amelie e Fallon

Publicada 20/11/14 em Contra-Info

Hoje faz mais de 10 meses que estamos em cana. Nas últimas semanas que se passaram, nos renderam duas sentenças: federal e comum. No primeiro de novembro o juiz Manuel Muñoz Bastida do  oitavo juizado federal do Reclusorio Sur nos ditou a sentença de 7½ anos de cadeia sob a acusação de “Incendio a edificio público com gente dentro”, isso pelos danos causados à “secretaría de comunicación y transporte do México”. As “pessoas de dentro” são os porcos federais a cargo da segurança do lugar. Logo, dia 7 de novembro, recebemos a segunda sentença pelas acusações de foro comum de “Danos a propiedade” e “ataque a paz pública”. Essas acusações se referem ao ataque feito a concessionária de carros Nissan. Encontrando-se a uma esquina da STC e aonde queimamos os carros. A juiza Margarita Bastida Negrete do tribunal de foro comum #18 do Reclusorio Oriente nos deu uma sentença de dois anos e sete meses de cadeia, juntando com os dois delitos em um, então os danos a propiedade se transformaram na reparação dos danos e ficamos com o delito de ataque a paz pública e a reparação dos danos que são de 108.000 pesos. Segundo a lei, todas as sentenças menores de 5 anos para os infratores sem antecedentes tem direito a alguns benefícios. No nosso caso, se pagamos a multa de 43.000 pesos nos dão a imediata libertade ou podemos sair sob fiança pagando 10.000 pesos cada umx e se apresentando todo mês a juízo durante 2 anos e 7 meses.

Continue reading

Caso presxs da Copa: Policiais da DRCI pagam menores de idade para arrancar faixas de apoio a Andressa na audiêndia do dia 12

No dia 12 de novembro ocorreu a primeira audiência do caso dxs 23 militantes incriminados por formação de quadrilha qualificada e vandalismo, presxs na manhã do dia 11 de julho as vésperas da final da Copa do Mundo no Rio de Janeiro. Andressa Feitoza, menor de idade, foi presa em casa onde a policia utilizou uma arma com licença vencida de seu pai, segurança particular, para qualificar o grupo de quadrilha armada. Ela foi a primeira a ser intimada para as audiências, que devem prosseguir ao longo do mês com xs demais acusadxs.

Segundo a equipe de advogadxs que defende xs ativistas, a defesa conseguiu desmentir as acusações infundadas de porte ilegal de armas e corrupção de menores frente a um judiciário despreparado que acatava de antemão toda a versão policial do caso. A acusação, baseada quase inteiramente no depoimento do delator e agressor machista Felipe Bras, vai perdendo crétido visto que o delator afirmou em audiência que seu motivo para colaborar na investigação é vingança amorosa de sua ex e militantes próximos.

Em um claro complô fascista da policia contra xs militantes que se mantinham nas ruas sem arrego desde Junho de 2013, policiais da DRCI (Delegacia de Repressão a Crimes de Informática) que compunham o rol de testemunhas da acusação, foram flagrados pelo jornal independente Nova Democracia pagando 20 reais a menores de idade para que eles destruissem as faixas de apoio a Andressa na porta da Vara da Infância e do Adolescente, Zona Portuária do Rio, onde acontecia a audiência. A DRCI, nova polícia política, parece utilizar no entanto os mesmos velhos métodos corriqueiros da policia brasileira, praticando CORRUPÇÃO ATIVA DE MENORES para cometer atos de depredação visando unicamente atingir a mobilização. Está claro que a policia tem a intenção política de encarcerar essas lutadoras e lutadores sociais e que se trata de um caso inteiramente forjado para saciar a fome de nossa polícia sanguinária e de nossas sádicas midias sensacionalistas e da burguesia assustada com a revolta popular.

NINGUÉM VAI CALAR A REVOLTA POPULAR!

PELO FIM DAS PERSEGUIÇÕES POLÍTICAS!

 

Caso presxs da Copa: Notícias do julgamento da menor Andressa

O advogado Marino d’Icarahy fala sobre a audiênca (12/11) da estudante secundarista Andressa Feitoza, menor presa durante a operação Firewall no final da Copa do Mundo 2014 e em cuja casa foi encontrada uma arma com licença vencida de seu pai, tendo sido utilizada pela polícia no caso para incriminar xs manifestantes como “quadrilha armada”. A defesa caminha, assim, para desmentir as acusações, reduzindo as infrações de porte ilegal de arma de fogo e corrupção de menores. As audiências do caso com todos os incriminados de vandalismo continuam no decorrer dos próximos meses.

NINGUÉM FICA PARA TRÁS!

LIBERDADE A TODXS XS PRESXS POLÍTICXS!

Pelo fim dos processos e perseguições!

Barcelona: Condenado a dois anos de prisão os antifascistas Sergi e Ruben

espanha-barcelona-condenado-a-do-1

C o m u n i c a d o:

Os companheiros antifascistas Sergi e Ruben foram condenados pelo Tribunal Provincial de Barcelona a dois anos de prisão e 14.161 euros de multa. O motivo é a participação de ambos em um protesto contra a celebração de um concerto nazi no bairro de Poble Nou, há três anos. A sentença também incluiu um agravante por ódio ideológico, a pedido do Ministério Público contra “Delictes d’Odi i Discriminació”.

Consideramos muito grave o fato de que alguns jovens sejam condenados por se levantar contra o fascismo. Especialmente em um momento como o atual, em que os bandos fascistas começam a se multiplicar e espalhar seu ideal de ódio com total impunidade. Pela nossa parte, expressamos aos companheiros que podem contar com todo o nosso apoio, e estendemos esse apoio a todos aqueles que lutam contra o fascismo e por um mundo sem imposições.

Mais uma vez vemos de que lado estão os juízes. Neste caso foram Santiago Vidal, Montserrat Mengis d’Argemir e Isabel Càmera que, juntamente com promotores e policiais, condenaram os nossos companheiros. Eles, como os fascistas, são um obstáculo para todos aqueles que lutam por um mundo mais justo e livre.

Desde a CNT-AIT de Barcelona fazemos um chamado de solidariedade com nossos companheiros reprimidos, que não é nada mais do que continuar a luta contra o fascismo e toda autoridade.

CNT-AIT Barcelona

17 de novembro: Luta contra o Poder e a exploração. Luta pela libertação dos presos políticos na Grécia

grecia-17-de-novembro-luta-contr-1

Editorial publicado na página athens.indymedia.org pela ocasião da comemoração de aniversário da revolta da Escola Politécnica em 1973.

Quarenta e um ano depois da revolta da Escola Politécnica a realidade segue sendo o testemunho irrefutável de que não há nenhum direito, nenhuma liberdade, nenhuma prosperidade que possa existir para o conjunto da sociedade se ela não se livra da turba partidária dos atuais ou iminentes “salvadores”, se não desata as amarras da escravidão assalariada, se não sobrepõe o benefício do conjunto da sociedade ao interesse individual.

Para a Grécia da fome, da miséria, da extrema repressão, da submissão, da resignação e da depressão, a única solução é a insurreição generalizada imediata. Essa insurreição que, negando qualquer compromisso, derrotará a situação desumana que nos foi imposta, e colocará em marcha os processos revolucionários de organização espontânea da sociedade, para que ela atenda às suas necessidades, com base na igualdade, na liberdade e na solidariedade. Sem governantes e governados. Sem exploradores e explorados. Sem amos e submissos.

As batalhas para a criação de um mundo livre e justo nunca deixaram de ser parte da história da humanidade. Uma história cheia de pequenos e grandes esforços para romper as amarras que mantêm quase toda a sociedade espiritualmente infeliz e materialmente marginalizada. Algumas batalhas que ao longo dos anos conseguiram deter com sucesso a investida do obscurantismo, ou algumas batalhas que foram perdidas, afogadas no sangue, pela superioridade militar do inimigo, do medo ou da indiferença da sociedade complacente (passiva). Algumas batalhas travadas por algumas pessoas que, inspiradas por ideais elevados, estiveram na linha de frente da luta, não se importando com as consequências pessoais que teriam suas ações.

Estes ideais e essas pessoas que honramos hoje, participando da luta pela libertação social. A esses ideais e a essas pessoas prestamos homenagem hoje, superando o medo, atacando o que nos faz escravos modernos, espectadores impotentes de uma realidade que não tem o direito de ser chamada sociedade humana.

Prestamos tributo (homenagem) a todos aqueles que lutam pela liberdade e pela dignidade humana. Liberdade para os presos políticos.

O texto em grego:

https://athens.indymedia.org/feature/10119/

O texto em castelhano:

http://verba-volant.info/es/17-de-noviembre-lucha-contra-el-poder-y-la-explotacion-lucha-por-la-liberacion-de-los-presos-politicos/

Notícia relacionada:

http://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2014/11/16/grecia-sobre-a-comemoracao-de-aniversario-da-revolta-da-escola-politecnica-em-1973/

Chamada de Solidariedade à Ilya Romanov

Carxs amigxs! Pedimos a solidariedade de todxs com Ilya Romanov, anarquista russo acusado de “terrorismo”, que já está a um ano na cadeia. CNA-Moscou inclui ele na lista de presxs politicos anarquistas.

Em 26 de Outubro de 2013, o anarquista de 46 anos Ilya Romanov foi ferido na cidade de Nizhnii Novgorod. A explosão que ocorreu tarde da noite feriu gravemente sua mão esquerda e queimou sua face. Ilya foi levado ao hospital aonde os médicos amputaram seu braço. Romanov explicou para a polícia que ele usou de forma equivocada um fogo artifício. Em Dezembro de 2013 Romanov foi acusado de “tentativa de cometer um ataque terrorista”. Mas não existem razões para as acusações de terrorismo no exame de corpo de delito. O artigo contra terrorismo explicita atos de “intimidar pessoas e ameaçar suas vidas, causando dano significativo à propriedade ou outras consequências sérias no intuito de influenciar a tomada de decisões pelas autoridades ou organizações internacionais”. Está óbvio que nesta situação não poderia haver intimidação, nenhum risco de morte ou dano significativo à propriedade visto que um fogo de artifício é fraco demais para isso, e Ilya se feriu apenas porque esse explodiu em suas mãos. Os investigadores da FSB decidiram fazer “um caso muito importante” dessa história para justificar sua própria existência. Eles plantaram dois arquivos com panfletos no computador de um amigo do Ilya. Os investigadores afirmam que Ilya iria espalhar clamores políticos após o ataque a bomba a uma instituição, mas não conseguiu fazê-lo por causa da explosão. FSB está usando o passado de Ilya como uma importante evidência de suas intenções de cometer um ato terrorista.

A investigação acabará em dois meses e nós precisamos de dinheiro para bancar a análise linguística dos arquivos plantados, convidar especialistas para o julgamento e também pagar pelos advogadxs. Nós conseguimos coletar dinheiro para um ano de serviços dxs advogadxs e para duas investigações independentes. Porém agora estamos precisando muito de dinheiro, cerca de €2,300 e temos apenas €750.

Continue reading

NOV 11 PELA LIBERDADE DOS ATIVISTAS PRESOS E PELO FIM DOS PROCESSOS DE PERSEGUIÇÃO POLÍTICA

Quando os direitos de uma única pessoa são tirados, os direitos de todos ficam em risco. E é esse o risco que corre toda a sociedade quando nos calamos perante a perseguição sofrida por nossos filhos, filhas e parentes. O Estado tentou calar nossos filhos e filhas, mas só conseguiu levantar a voz dessa Comissão, que parte para seu 3º ato.

Realizaremos nosso ato na véspera do primeiro julgamento de uma das presas e perseguidas do dia 12 de julho, a menor de idade Andressa Feitosa, deixando claro que essa Comissão não vai se calar perante a perseguição aos ativistas lutadores do povo. A luta pela liberdade de Caio Silva, Fábio Raposo e Rafael Braga, bem como a luta pela extinção de todos os processos de perseguição política, não vai parar e só cresceremos mais a cada tentativa de repressão.

Participarão desse ato os ilustres convidados:

– Organizações, advogados e defensores dos presos e perseguidos políticos
– Advogados ativistas de São Paulo
– Associação dos juízes pela democracia
– Comissão de Mães, Pais e Familiares dos Presos e Perseguidos Políticos
– Pais e mães dos presos políticos
– CEBRASPO (Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos)
– FIP – RJ (Frente Independente Popular)
– Wallace Martins (Advogado que vai defender Caio e Fábio no STJ)

A luta de nossos filhos e filhas é a luta de todo o povo. A luta deles e delas também é nossa luta!

https://campanhapresxspoliticxs.wordpress.com/