Monthly Archives: março 2015

[México] Convocatoria epistolar por Luis Fernando Sotelo

AOS COLETIVOS, ORGANIZAÇÕES E INDIVÍDUOS ABAIXO E A ESQUERDA
AOS E ÀS ADERENTES DA SEXTA INTERNACIONAL E NACIONAL:

A criminalização do protesto social é um mecanismo de resposta do Estado com o qual busca encobrir suas políticas neoliberais, bestiais e inhumanas. A prisão é uma política sistemica, que busca eliminar a crítica, as ideias, busca calar as vozes de rebeldia e o trabalho organizado da resistência, e face a repressão sistemática dos de cima, aqui em baixo nos organizamos, para resistir e combater, por isso

CONVOCAMOS:

De 16 a 31 de Março uma campanha de cartas onde extendamos nossa solidariedade ao nosso companheiro LUIS FERNANDO SOTELO ZAMBRANO, preso político desde 5 de novembro, acusado de incendiar o metrobús da Cidade Universitária. dentro da TERCEiRA JORNADA GLOBAL POR AYOTZINAPA. Para o qual lhes pedimos que escrevam suas cartas dirigidas aol companheiro e as mandem para o E-MAIL: fernandosotelolibre@riseup.net

Também convocamos os companheiros que residen no extrangeiro a enviar cartas aos consulados e embaixadas mexicanas em seus países, exigiendo a LIBERDADE IMEDIATA do nosso companheiro LUIS FERNANDO SOTELO ZAMBRANO, o qual se encontra preso no reclusorio sul da Cidade do México.

Teçamos resistência, façamos pontes de solidaridade que destruam fronteiras, derrubem muros e libertem a todxs xs nossxs presxs políticxs!

SE TOCAM EM UM NOS TOCAM EM TODXS

Contra a Violência e a Repressão:

¡A solidaridade!

Red  Contra la Represión y por la Solidaridad

(RvsR)
http://www.redcontralarepresion.org/contenido.php?cat=13&id=970

[Espanha] 26 prisões em Madrid, na segunda parte da Operação Pandora

A operação, ordenada pelo Tribunal Superior, resultou em 12 detidos por “pertencer a uma organização criminosa” e 14 por resistência.

Esta manhã(30 de Março), a Polícia Nacional, em colaboração com as Brigadas de informações de Madrid, Barcelona, ​​Palencia e Granada, têm realizado desde 06:00 uma operação que resultou na prisão de doze pessoas, acusados pela polícia pertencer a uma organização criminosa com fins terroristas, diz o órgão em um comunicado de imprensa. A estas detenções se somam outras 14 pela resistência durante a condução das pesquisas realizadas em 17 pontos Madrid, Barcelona, ​​Palencia e Granada.
Em Madrid foram ao l Centro Social Ocupado Autogestionado La Quimera, localizado na praça Nelson Mandela de Lavapiés e logo deppois aos 13-14 Vallekas. Conforme relatado por diversos meios, tais como pessoas ligadas ao centro do Chimera, três vans da Unidade de Intervenção da Polícia isolaram a praça e avançaram para entrar no prédio, requisitando equipamentos de informática, impedindo o seu acesso. O centro social 13-14, em Vallecas, é outro espaço social revistado pela polícia.
A operação foi ordenada pelo Tribunal de Instrução nº 6 do Tribunal Nacional. De acordo com a nota do 12 detidos pela polícia pertencentes a uma organização terrorista eram membros de grupos anarquistas coordenado (GAC). Eles também foram acusados ​​de “cometer crimes de sabotagem e colocando explosivos e incendiários”
O projecto de Chimera nasceu em maio de 2013, em um prédio de apartamentos abandonados que já havia sido o lar de outro centro social, o laboratório 2. reabriu as suas portas na semana passada, depois de meses fechada por motivos organizacionais. ‘Chimera’ está localizado em um prédio que já tem uma história de okupas pois já funcionou como um centro social por 12 anos, e depois de terem sido expulsos novamente foi okupado pelos inquilinos atuais em 2013. De acordo com seus criadores, está sediando “projetos de natureza política “como uma oficina de okupação, biblioteca autogestionada, asambleia Transmaricabollo, teatro denuncias, bem como vários workshops, computador, auto-emprego, a língua de sinais, línguas, etc.
Até o momento, a operação policial ainda estava aberta, de modo que novas prisões podem ocorrer.

[EUA] Mumia Abu-Jamal hospitalizado; família não pode contatá-lo


O Renomado Revolucionário Negro Mumia Abu-Jamal foi hospitalizado, e está sendo mantido em cativeiro em cuidados intensivos no Centro Médico Schuykill, Pottsville, Pa., Desde cerca de 13:00 de hoje, 30 de março.

Fontes da Família e Amigos de Mumia Abu-Jamal relatam que Mumia está sendo mantido na UTI incomunicável, e que sua esposa não foi autorizada a entrar em contato com ele. Ele é declaradamente em um gotejamento de insulina. O Centro de Ação Internacional esta noite relata que, tal como estão a poucos metros de distância da porta do hospital de Mumia,” 15 apoiadores são confrontados com um bloqueio total da polícia da sala onde ele está sendo mantido.

Significativamente, este rapto coincide com a data estabelecida para um julgamento, em Harrisburg, Pa. , para derrubar a recente lei aprovada pelo estado da Pensilvânia amordaçar a liberdade de expressão dos presos do estado . Camaradas e ativistas de direitos civis na Pensilvânia chamar a nova lei, o “Lei Silencie Mumia”, porque o Estado e a imprensa burguesa usado explicitamente a oportunidade simbólica para silenciar Mumia Abu-Jamal como a lógica por trás desse ataque flagrante em todos os 51.000 prisioneiros em cativeiro em todo o estado da Pensilvânia. O irmão de Mumia, Keith Cook, que estava em Harrisburg para contestar a lei no tribunal,teve sua visitação negada.

Lembramos que em janeiro deste ano, o próprio Phil África da organização MOVE foi levada para o confinamento em um centro médico (Wilkes-Barre Geral), pouco antes de sua morte lá em circunstâncias suspeitas.

FOGO às prisões e
LIBERDADE AOS PRESOS!

MUMIA LIVRE, libertá-los todos!

[EUA]Relato de solidariedade do interior do cárcere: “Mantenha viva a luta!”

eua-relato-de-solidariedade-do-i-1

Para todos aqueles que continuam mantendo a chama acesa, meu nome é Dante Cano.

Eu fui preso pelos gambés na sexta-feira 13 [março de 2015], em uma marcha “Contra o Estado Policial”. Foi uma chamada internacional contra a militarização dos gambés e da repressão policiaI contra o “black lives” [o negro vive] na famigerada “América”.

Continue reading